APOIO
quarta-feira, 3 de outubro de 2018
an

Começa hoje no Farol Santander a exposição Luz e Arte – reflexão e emissão. O público poderá visitar as obras até o dia 6 de janeiro de 2019. Os artistas brasileiros Gisela Motta e Leandro Lima, exibirão a obra Entreter. Já os italianos do NONE Collective, apresentam a inédita instalação No Strata. A produção executiva é de Julia Brandão com a criação e coordenação da Storymakers.
As instalações, distribuídas em dois andares com 330m² cada, provocam questões contemporâneas usando a luz, desta maneira, provam que ela (luz) pode ser não só um item de apoio para o artista, como pode, também, ser o objeto da obra em questão.
A dupla de artistas brasileiros Gisela Motta e Leandro Lima, desenvolveu a obra inédita Entreter. O projeto consiste na criação de um grupo de sete objetos dispostos pela sala do 22º andar do Farol Santander, de forma que sua composição completa remeterá a um pequeno Parque de Diversões (Amusement Park).
Atrações tradicionais como uma Roda Gigante, uma Montanha Russa e um Carrossel, entre outros, serão algumas das diferentes estruturas representadas e miniaturizadas em escala aproximada de 5:1. Cada brinquedo será simplificado aos contornos de seu desenho, com isso, as peças perdem assim seu sentido de uso físico e, nesse processo de “síntese”, se reapresentam como provocadores visuais e dos sentidos que aguçamos a partir da observação e memória.
As estruturas estáticas deixam o movimento físico para dar espaço ao movimento audiovisual, nas animações que acontecem pelos pontos de luz. A experiência é percebida pela animação das luzes em cada atração e, o público pode passear entre as peças, adaptadas para atenderem, também, pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Deficientes visuais poderão utilizar audioguias.
Para a dupla Motta/Lima, parques de diversões tem como objetivo a interação das pessoas e, servem como fonte de fantasia e fuga da vida real. Os artistas acreditam que, esse deslocamento para o ambiente da arte imersiva, tenha o potencial de provocar o questionamento em torno da função artística hoje, de maneira irônica, com senso de humor e interpretação para todas as idades.

Os italianos do NONE Collective apresentam, pela primeira vez, a obra NO STRATA, no 23º andar do Farol Santander. O visitante observa uma instalação com módulos de luz e sons, em uma jornada por meio de uma paisagem nebulosa, onde é possível vislumbrar placas douradas de diferentes alturas. Dentro da instalação, o público é imerso em uma floresta composta por 44 módulos vibratórios, feitos de cobre, que produzem sons metálicos.
Assim como toda grande metrópole é distribuída em camadas, a mesma organização acontece em NO STRATA, com diferentes alturas e materiais; a parte mais baixa é escura, ao passo que a parte mais alta, no teto, é composta por 20 refletores de luzes, que se projetam nas placas de cobre e, ao mesmo tempo, escaneiam o ambiente e o público, como um radar.
Diante dessa complexa floresta tecnológica, os visitantes são convidados a contemplar a paisagem da cidade, sobrepondo o interior e o exterior do prédio, em um momento de pura sinestesia. Esta obra também é adaptada para acessibilidade.
A mostra Luz e Arte é apresentada pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet; patrocínio do Santander e copatrocínio da Mastercard; direção artística de Facundo Guerra e direção de produção de Angela Magdalena (Madai).