APOIO
quinta-feira, 7 de junho de 2018
Heitor Dhalia cria filme com Samira Carvalho

Das passarelas às telonas, modelo espera levantar debate nas famílias ao interpretar a intempestiva Keira, personagem que vive relacionamento violento e tóxico com o marido
Reconhecida por seu trabalho e beleza ímpares em campanhas, desfiles ou editorias de moda, Samira Carvalho estreará nas telonas do cinema no dia 21 de junho. A top model é uma das protagonistas do novo filme do diretor Heitor Dhalia, Tungstênio.

A piracicabana, que passou a fazer sucesso após vencer um concurso de uma revista voltada ao público negro, encara na obra baseada nos quadrinhos de Marcello Quintanilha a profunda Keira. Intensa, assim como os outros três personagens que protagonizam a narrativa, Keira é esposa do policial Richard (Fabrício Boliveira) e vive uma relação marcada por violência e toxicidade, ao se encontrar numa tentativa constante de abandoná-lo.

A personagem, rondada por contradições, é segundo Samira Carvalho “explosiva, guerreira, de coração gigante, porém muito frágil’’. Em negação aos próprios sentimentos, tenta seguir os caminhos que julga serem os mais corretos, o que a faz entrar em conflito consigo mesma por não conseguir seguir à risca suas escolhas racionais.

Em discurso, Keira está disposta a abandonar o relacionamento abusivo ao qual está submetida. Ao mesmo tempo, sente extrema compaixão pelo marido, que está mergulhado na ação tensionada de Tungstênio e, por vezes, tem comportamentos violentos que levam a uma explosão de sentimentos entre os dois. Para a modelo e agora atriz “é muito triste saber que pessoas vivem relações destrutivas desse modo e, muito por conta da estrutura social, possivelmente estejam tão habituadas a isso que não conseguem compreender a gravidade dessa realidade. Espero que o filme possa trazer essa reflexão e de alguma forma, levantar esse debate nas famílias’’.

O debut de Samira Carvalho foi desafiador. Materializar em ação o universo caótico contido nos quadrinhos de Quintanilha foi “diferente e complexo’’ para a atriz, mas missão possível com a preparação de Chico Accioly e Ana Luíza Almeida, e a direção “objetiva e precisa’’ de Heitor Dhalia. Para a composição da personagem, tão cheia de sentimentos, aulas de capoeira se fizeram necessárias. Samira também se aventurou em rodas de samba e em compras na Avenida Sete de Setembro, em Salvador. Reconhecendo a cidade que abriga Keira, na Bahia, Samira precisou se entregar completamente aos seus sentimentos: “tive que gritar, berrar sem vergonha, mesmo sabendo que todo mundo estava ouvindo. Foi difícil e quando consegui, cai aos prantos’’, declarou.

Tungstênio explora as tensões que permeiam as relações humanas, onde situações aparentemente banais são capazes de refletir consequências absolutamente imprevisíveis. O longa tem produção da Paranoid, coprodução da Globo Filmes e Canal Brasil, além de distribuição da Pagu Pictures.