APOIO
Captura de pantalla 2017-10-11 a la(s) 09.38.11

No dia 19 de outubro de 2017, a Galeria Mario Cohen, uma das primeiras dedicada à fotografia no Brasil, recebe a exposição “Um Passeio Pela Nobreza”, assinada por Walter Firmo (80), considerado nome fundamental na história da fotografia brasileira, com abertura para convidados, a partir das 19h, que acontece na galeria, localizada na Rua Joaquim Antunes, n° 177, em Pinheiros, São Paulo. O período expositivo é de 20/10 a 18/11.

São expostas 14 fotos, entre elas, registros de artistas como Cartola, na Marquês de Sapucaí (16x23cm); Cartola e amigos, na GRES Mangueira (16x23cm); Cartola e Dona Zica, na GRES Mangueira (23x15cm); Chico Buarque, em Copacabana (15x23cm); Clementina de Jesus, na Quinta da Boa Vista (16x23cm); Clementina de Jesus, no Grajaú (15x23cm) e Clementina de Jesus, no palco (15x23cm); Dona Ivone Lara, em Bonsucesso (23x15cm); Dona Zica e Pixinguinha, em Ramos (2 fotos – 15x23cm e 17x23cm); Madame Satã (23x16cm); e Moreira da Silva, em Rio Comprido (16x23cm). O público colecionador pode adquirir uma caixa com seis imagens de 23x18cm, cada uma com tiragem de apenas 10 cópias.

Walter Firmo, reconhecido pelo principal tema de seu trabalho – a figura humana – revela tradições e culturas por meio de contrastes e cores saturadas. Mostra seu peculiar interesse por cenas e personagens que estão longe dos holofotes, nos subúrbios. Equilibra a história de cada personagem com a mesma exuberância. Em seu trabalho, a beleza de moradores de subúrbios, menos favorecidos, em situações cotidianas, é a mesma de artistas consagrados como Clementina de Jesus, Chico Buarque, Djavan, Fafá de Belém e Tim Maia, das gravadoras RCA e Odeon, fotografados por Firmo nas décadas de 1970 e 1980.

Walter Firmo é referência e inspiração para nomes importantes da área, como o fotógrafo Bob Wolfenson. “Suas fotografias não falam de fotografias, não têm efeitos mirabolantes, nem filigranas de estilo, vão direto ao assunto. São um libelo contra a pressa e a vulgaridade. Guiados por seu olhar singular e delicado, revisitamos um Brasil mítico que parece não existir mais. Suas imagens nos convidam a passear pela nobreza e elegância da cultura negra.”, afirma.