APOIO
Captura de pantalla 2017-10-09 a la(s) 10.09.15

De 19 de outubro a 1º de novembro, acontece em São Paulo a tradicional Mostra Internacional de Cinema. Durante duas semanas, serão exibidos 394 títulos de variados países e diversas cinematografias, contando os 30 curtas-metragens inseridos em retrospectiva, apresentação especial e programação de realidade virtual (VR). Os filmes serão apresentados em mais de 30 espaços, entre cinemas, espaços culturais e museus espalhados pela capital paulista, incluindo exibições gratuitas e ao ar livre. A seleção deste ano faz um apanhado do que o cinema contemporâneo mundial está produzindo, além das principais tendências, temáticas, narrativas e estéticas produzidas em todo o mundo.

Isso se observa desde o filme de abertura, Human Flow – Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir, do artista chinês Ai Weiwei, encabeçando uma lista de longas que abordam a grave crise mundial dos refugiados, até a homenageada pelo Prêmio Humanidade, a cineasta belga Agnès Varda, ressaltando a presença marcante das mulheres diretoras nesta edição. Outra homenagem deste ano é para o diretor Paul Vecchiali, que receberá o Prêmio Leon Cakoff. E, como tradicionalmente faz nas últimas edições, destacando a produção cinematográfica de um país ou região, a 41ª Mostra apresenta o Foco Suíça, com longas contemporâneos, uma retrospectiva da obra de Alain Tanner e a exibição de curtas do animador Georges Schwizgebel.

Além de Apresentações Especiais e das Retrospectivas do cineasta suíço e dos homenageados, a Mostra Internacional de Cinema apresenta as produções selecionadas nas seções da Competição Novos Diretores, que exibe títulos de diretores que tenham realizado até dois longas (os mais bem votados pelo público serão vistos pelo Júri Internacional, que escolhe posteriormente os que vão receber o Troféu Bandeira Paulista), e Perspectiva Internacional, que apresenta títulos recém-premiados e trabalhos de diretores já consagrados. A produção brasileira também ganha destaque com o Prêmio Petrobras de Cinema, que contemplará dois filmes brasileiros da seleção, para apoiar a distribuição dos mesmos no circuito comercial.

A seleção de títulos da 41ª Mostra apresenta filmes premiados em festivais internacionais, como The Square, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes; Loveless, de Andrey Zvyagintsev, que levou o Prêmio do Júri na mesma competição; Esplendor, de Naomi Kawase, agraciado pelo júri ecumênico no evento; e os selecionados Happy End, de Michael Haneke, O Dia Depois, de Hong Sang-Soo, Lover For a Day, Philippe Garrel, e A Trama, de Laurent Cantet. De Veneza, vêm os longas Custódia, de Xavier Legrand, Leão de Prata de Melhor Direção; Emma, de Silvio Soldini, exibido hors concours no festival italiano; e os premiados na seção Horizontes, Nico, 1988, de Susanna Nicchiarelli; Sem Data, Sem Assinatura, de Vahid Jalilvand; e Os Versos Esquecidos, de Alireza Khatami. Filmes premiados em Berlim também fazem parte da programação, como Félicité, de Alain Gomis, ganhador do Grande Prêmio do Júri; O Outro Lado da Esperança, de Aki Kaurismaki, vencedor do Urso de Prata de Melhor Direção; Noites Brilhantes, de Thomas Arslan, que teve o ator premiado; 1945, de Ferenc Török, agraciado pelo público na seção Panorama; Ana, Meu Amor, de Calin Peter Netzer, cuja montagem foi premiada; além de Django, de Étienne Comar, que abriu o evento.

O vencedor do Festival de Toronto, Três Anúncios para um Crime, de Martin McDonagh, está presente na seleção, assim como Doce País, de Warwick Thornton, eleito o melhor filme da Toronto Plataform no evento. De Locarno, esta edição traz 9 Dedos, de F.J. Ossang, premiado como Melhor Direção; e outros reconhecidos pelo festival: Cocote, de Nelson Carlo de los Santos Arias; Irmãos Do Inverno, de Hlynur Pálmason; Scary Mother, de Ana Urushadze; Aqueles Que Estão Bem, Cyril Schäublin; e Lucky, de John Carroll Lynch, que traz um dos últimos trabalhos do ator Harry Dean Stanton. A seleção ainda apresenta filmes premiados em Sundance (Livre e Fácil, de Jun Geng), Roterdã (Tempo de Qualidade, de Daan Bakker), Tribeca (Mulheres Divinas, de Petra Volpe) e South by Southwest (Inflamar, Ceylan Özgün Özçelik), sem contar os títulos brasileiros reconhecidos em premiações e seleções de festivais internacionais.

Outros destaques deste ano são Com Amor, Van Gogh, de Dorota Kobiela e Hugh Welchman; Terra Heroica, Fronteira Queimada, de Nicolas Klotz e Elisabeth Perceval; A Maldita Primavera, de Marc Ferrer; O Jovem Karl Marx, de Raoul Peck; O Terceiro Assassinato, de Hirozaku Kore-Eda; Outrage Koda, de Takeshe Kitano; Napalm, longa sobre a Coreia do Norte dirigido por Claude Lanzmann; Abrigo, de Eran Riklis, mesmo diretor de Lemon Tree, e Uma Verdade Mais Inconveniente, de Bonni Cohen e Jon Shenk, além da première mundial do longa boliviano Eugênia, de Martin Boulocq; Where Has the Time Gone?, produção dos países do BRICS, com Walter Salles, Jia Zhangke, Aleksey Fedorchenko, Madhur Bhandarkar e Jahmil Qubeka na direção dos segmentos; e dos episódios 1 e 2 da inédita série alemã Babylon Berlin, de Henk Handloegten, Tom Tykwer e Achim von Borries.