APOIO
segunda-feira, 7 de agosto de 2017
Kitty Paranaguá

Autora de um trabalho que transborda poesia, fruto de sua relação com as pessoas, lugares e objetos que fotografa, a carioca Kitty Paranaguá apresenta, a partir de 22 de agosto, Campos de Altitude, sua primeira individual na Janaina Torres Galeria. Com uma carreira estabelecida há mais de 20 anos, Kitty expõe pela primeira vez em São Paulo, abrindo também a programação oficial paralela da SP-Arte/Foto/2017.

Além da série que dá nome à mostra, a artista também apresenta ao público paulistano Copacabana. Os dois ensaios trazem uma visão emocionante e original da fotógrafa sobre sua cidade natal, o Rio de Janeiro.

Campos de Altitude revela a cidade através de personagens que vivem na tensão morro-asfalto. Ao longo de um ano e meio, Kitty subiu os morros em busca de vistas que trouxessem a impressão das transformações urbanas ocorridas ao longo do tempo. As comunidades de Pavão Pavãozinho, Tavares Bastos, Chapéu Mangueira, Cantagalo, Vidigal e Rocinha foram algumas das representadas pela fotógrafa.

Para obter novos ângulos, a Kitty entrou na casa dos moradores das favelas e descobriu ali algo além de uma boa vista: pessoas, histórias, memória e afetividade. Como numa câmera escura, Kitty projetou as imagens capturadas dentro das casas e sobre os corpos dos próprios moradores. Sob o seu olhar, crianças, adultos e idosos ganharam novos contornos e suas casas, novas cores.

Como resultado, a artista alcançou um retrato inédito do Rio de Janeiro, obtido a partir da linha sutil entre a relação – ou dissolução – do exterior com o interior, com alto impacto estético e emocional. Kitty Paranaguá registrou também os depoimentos dos personagens, que integram a exposição por meio de um áudio aberto no espaço da galeria.

“A série se debruça sobre a ideia de mostrar a paisagem do Rio de Janeiro e saber quem são os personagens que, mesmo vivendo no limite da exclusão social, possuem as melhores vistas da cidade do Rio de Janeiro”, afirma Kitty. “A comunidade é uma extensão das moradias, as vidas se entrelaçam, o limite entre o privado e o público é bem tênue”, completa.

O título do ensaio vem de uma expressão usada na botânica, que se refere às “relíquias de vegetação”, onde vivem plantas raras e isoladas em um contexto distinto da flora dominante, assim como são os personagens, dentro da sua criação.

Com a curadoria de Diógenes Moura, Campos de Altitude foi um dos destaques da 10ª edição do FotoRio, encontro internacional de fotografia no Rio de Janeiro, cujo intuito é valorizar a fotografia como bem cultural, dando visibilidade aos grandes acervos e coleções públicas e privadas, assim como à produção fotográfica contemporânea brasileira e estrangeira. Em outubro, a exposição segue para a China – foi eleita como representante do evento carioca no Festival Internacional de Fotografia de Pequim, cujo tema deste ano será ‘Origem e Imaginação’. A iniciativa é resultado de uma parceria entre as duas instituições. Recentemente, fotografias da série foram ainda doadas para o Museu de Arte do Rio (MAR).